Pular para o conteúdo principal

Coleção Histórica Turma da Mônica 18 (Parte 2 de 2)

Hoje vamos continuar a falar sobre a Coleção Histórica 18
FABIANO CALDEIRA, RIBEIRÃO PRETO-SP


Olá, pessoal! Voltando, agora, a falar do assunto "Coleção Histórica Turma da Mônica", onde deixei em aberto a conclusão de algumas revistas de número 18.

Ao pessoal que tem menos de vinte anos, sempre é bom lembrar que a turma da Mônica já foi produzida com características um pouco diferenciadas das que vocês estão acompanhando hoje. Nota-se essa diferenças na "Coleção Histórica Turma da Mônica", que foi elaborada justamernte para que todos possam ter conhecimento, em ordem cronológica, dos antigos trabalhos de Mauricio de Sousa.

Concluindo, então, os meus volumes 18, tenho a compartilhar as revistas do Chico Bento, Magali e Cascão: 


 Chico Bento 18 garante muita diversão logo na abertura com "SALVE A GISELDA!". Chico é mostrado entrando, aflito, em uma unidade de pronto atendimento, dizendo que a Giselda tinha sido atropelada e precisava de socorro imediato. Pelo embrulho consigo, todos acreditaram tratar-se de uma criancinha quando, na verdade, era uma galinha. A partir da constatação, começam as situações engraçadas de se pegar uma galinha à solta que, de repente, entra em uma sala com risco alto de infecção. Assim sendo, ninguém mais quis saber de envolvê-la, mas ela resolveu dar um "abraço" em todos. Ah, ah, ah!

"CADÊ A SELVA" mostra um erro que passou (acho) despercebido pelas crianças dos anos 80. Como hoje em dia o leque de leitor se amplificou, a MSP achou por bem esclarecer através das palavras sempre claras e gostosas de Paulo Back: "O Cacique Ubiraci, em vez de chamar a casa indígena de oca,  utiliza o coletivo taba"

"A ARMA PARALISADORA" é mais uma boa HQ protagonizada por Zé Luís e Titi. Zé Luís julga ter inventado uma arma que paralisa as pessoas. Ele e Titi resolvem usá-la contra a Mônica. Nem é preciso dizer o que acontece depois, né? Aliás, Titi volta logo mais em "O MACHÃOZINHO": Aninha (apesar de estar totalmente diferente - Paulo Back esclarece que é ela mesma) fica brava com ele por causa de seus conceitos machistas. Cabe, à Mônica, a tarefa de abrir a cabeça do amigo. Papa-Capim também volta em mais uma curta historinha onde ele e seu amigo divertem-se na chuva. 

"O QUE VOCÊ TEM, AFINAL?" fecha a edição. Chico fica moado o tempo todo, sem ânimo para nada e isso deixa sua mãe bastante preocupada. Que bom que Rosinha chegou e acabou logo com toda aquela agonia.

Essa edição foi bem mais leve do que a anterior. Tramas mais simples foram o alvo. 

Chico Bento em "SALVE A GISELDA!" (Foto: Fabiano Caldeira)



Magali 18 começa com Mônica e Magali "NO ESCURINHO DO CINEMA". Mônica não consegue prestar atenção no filme e o resto do povo fica bastante incomodado com a comilança de Magali, o tempo todo, dentro da sala. Sabe que gostei dessa história? Apesar de ser tão curta, ela mostra claramente como é a Magali. Gostei!

Magali aprontando "NO ESCURINHO DO CINEMA". (Foto: Fabiano Caldeira)

"MAGALI E AS UVAS" também segue a mesma linha. Ah! Como eu gostava da Magali e sua fixação por comida! Dessa vez, a coitadinha tenta capturar algumas uvas - muita dificuldade para um resultado não muito apreciador.

"POUSO FORÇADO" mostra mais uma vez a quê veio o Dudu. Na época, ele era um personagem recente que foi criado exatamente para incrementar o elenco do universo da comilona (assim como o Quinzinho, Tia Nena e Mingau). Lembro bem que suas primeiras HQs mostravam uma face exatamente avessa à Magali. Dudu é um típico pirralho que não gosta de comer. A aceitação do personagem foi imensa já que muitas mamães passam por essa dificuldade na hora de alimentar seus pequeninos. Não sei se hoje em dia o garotinho continua com essa característica... espero que sim.

O que segue são mais histórias simples e gostosas de Magali e seus desejos alimentícios. Mingau fecha a edição com uma trama tão tonta quanto ele. Não é que eu não goste do gato. Acho ele muito bem desenhado, o nome também é bem apropriado, porém, fica a impressão de que é um ser vazio. O que ele passa de bom ao leitor? Está bem! Está bem! É o gatinho da Magali. Todos do bairro tem bichinhos de estimação agora. Mas, se parar e pensar, temos: 

Floquinho: cão superesquisito do Cebolinha; não fede nem cheira, mas sua aparência já é um atrativo à parte; ele parece tudo, menos um cão.

Bidu: cão do Franjinha, também é um pensador e tem seu próprio "casting" com amigos, chatos, valentões, esquecidos... fala com pedras, morros, etc.

Chovinista: porquinho do Cascão (não estou adjetivando o personagem, quis dizer "porco" no sentido  literário da palavra: um animal); vive como um cão, gosta de ficar limpo, pular, correr e dançar em verdes campos com borboletas, bichinhos e só não rola purpurina porque, senão, o Pastor Marco Feliciano resolve proibir a circulação das revistas alegando que ali tem coisas do demônio e, assim, alguém da MSP infarta.

Monicão é o mais recente dessa leva; obviamente é o cão da Mônica - dentucinho e pentelho que nem ela, o danado é hiperativo e, das poucas vezes que o vi em cena, achei isso tudo muito engraçado.

Mingau: gatinho da Magali; todo branco, meio peludinho (lembra muito a raça Angorá); características especiais... ????? 

Ainda digo que Magali 18 é uma edição muito boa. Cumpre o que promete: divertir e mostrar as características da Magali. Como será que estão suas novas edições? Um dia, tomo coragem e compro.




O tempo fechou pro Cascão (Foto: Fabiano Caldeira)


Cascão 18 mostra uma situação atípica: Cascão às voltas com uma moça desconhecida e gamadona nele. Ela é tão pirada que Cascão começou a temer pela segurança de Maria Cascuda e entrou em pânico. Coerentemente a menina se foi - houve a lição de que sua paixão, na verdade, era apenas fruto de carência e baixo amor próprio. Um tema bem sacado, bem trabalhado e inteligentemente concluído. Merece aplausos.

Em "OSSO DURO DE ROER", Bidu aparece vivendo um sufoco: um cão grandão pega seu osso. Franjinha aparece na trama, mas não consegue entender o que ele quer lhe dizer. Vemos, então, um paralelo do universo próprio do cãozinho entre suas próprias  HQs - onde ele conversa e interage com demais cães, pedras - e as que ele contracena simplesmente como animalzinho de estimação da turma. Interessante!

Os traços caracterizando um pouco do que foi a fase "superfofa" voltam a aparecer nas histórias do Cascão em "UFA!... ESCAPEI!!!" e "ATRÁS DA CERCA!". Na minha opinião, essas duas obras são as responsáveis por compor um miolo tão atraente, curioso e divertido quanto normalmente pretendem ser as histórias de abertura de uma edição em geral. Isso é muito bom, pois aproveita-se a revista do começo ao fim. Por falar em fim, após uma trama boa, porém, simples e sem personagens conhecidos (em "MOSCA NA SOPA", Penadinho aparece como mero figurante apenas no último quadrinho), a edição fecha com  "É MEU! É MEU!": Cebolinha, Cascão e um papagaio linguarudo que põe os dois em maus lençóis com a Mônica. As ilustrações contém traços ainda diferentes daqueles"superfofos" e da história de abertura - parecendo algo intermediário, rumo ao perfeccionismo que encontramos atualmente. Estou, na verdade, elogiando. Elogiando o produto como um todo, por apresentar um "mix" de personagens e artes que não o torna cansativo de ser visto e apreciado "de uma tacada só". Bons tempos!

A Coleção Histórica Turma da Mônica está, à venda - até a conclusão desta matéria - em seu volume 33 - às vésperas de ser lançado o 34. É possível encontrar lugares de confiança na Internet que ofereçam os primeiros exemplares da coleção e até mesmo toda a numeração já lançada. No entanto, é preciso ficar de olho no estado de conservação, nas condições de pagamento, frete... uma série de detalhes para que o prazer de obter uma reedição dessas obras primas não se transforme em pesar. 

Foi muito bom compartilhar esse conteúdo com todos vocês.

Na próxima semana, trarei mais uma postagem bacana de alguma revista que tenho comigo.


Minhas postagens anteriores sobre o assunto:

#quadrinhopédia - Coleção Histórica Turma da Mônica 18 (Parte 1 de 2)

*ESTREIA* #quadrinhopédia - Coleção Histórica Turma da Mônica 17


Abração a todos vocês. 


Fabiano Caldeira.

Comentários

  1. Acho que já li essa postagem há algum tempo...

    Essa coleção histórica terá vida longa. Dá até vontade de parar de compradinhos recentes da TM e só investir nela.

    ResponderExcluir
  2. Só uma coisa.... as imagens não são do Quadrinhada, são MINHAS, né? rsrs.... Na próxima vez, informo isso no meio do texto. rsrsrs....

    Bom domingo!

    Abraços. Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano, coloquei esse nome nas fotos como se fosse um banco de dados, por isso coloquei aquela legenda. Caso não queira, eu vou tirar.

      Excluir
  3. não encana. não me preocupo com essas bobagens. pode deixar.

    tudo de bom!

    ResponderExcluir
  4. A tirinha da Mônica e Magali no cinema demonstra uma coisa pouco conhecida, o chamado "efeito cobra": é quando uma tentativa de solucionar acaba tornando ainda pior o problema.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Quadrinhada não se responsabiliza pelos comentários aqui publicados. Qualquer informação expressa é de total responsabilidade do autor. Comentários com palavrões serão excluídos.

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

Gibiteca nº 4: "A era quinzenal anos 90 da TM" - Parte 1

LUCIANO SILVA DA CRUZ


Olá pessoal. Neste domingo(12) iremos falar sobre os seguintes gibis:


Chico Bento nº 83 - Editora Globo / (Mar-90);



Os 10 anos do Doutor Spam (e Professor Spada)

Há exatos 10 anos, circulava, pelas bancas do Brasil, a revista Mônica #233, ainda na Editora Globo. Nela, ocorreu a estreia do Professor Spada, um professor de informática que tinha um alter-ego: quando ficava muito nervoso, ele se transformava no Doutor Spam, um vilão que sonha em dominar o mundo por meio da informática.

Em sua HQ de estreia (A incrível história do Professor Spada e do Doutor Spam,que já foi republicada em Almanaque da Mônica #29, Panini), o professor é chamado para instalar um computador no quarto de Mônica. Por engano, ela joga o coelhinho no Cebolinha, que acaba acertando o Professor, fazendo com que ele levasse um choque e se transformasse no Doutor Spam, prendendo a turma em sistemas de computador. Só são salvos graças à Bloguinho, que, por meio de um programa anti-spam, faz o vilão voltar a ser o pacato professor de informática.

Professor Spada e seu alter-ego continuam aparecendo nas HQs atuais da TM. Sua última aparição foi em Turma da Mônica #4, publicada …