Pular para o conteúdo principal

Coleção Histórica Turma da Mônica 18 (Parte 1 de 2)

A fase mais criativa e descompromissada de Mauricio de Sousa está nesses exemplares da Coleção Histórica. De imediato, Mônica 18 já traz bastante diversão: a história que abre - "A VOZ" - é intrigante e termina sem apresentar uma real solução para um problema enfrentado pela Mônica, mas aí está a graça da coisa toda. Mônica começa a se ver doida quando uma voz diz coisas às pessoas que ela não falaria. Não chega a ser uma coisa engraçada, mas é interessante e  prende a atenção. 

POR FABIANO CALDEIRA- RIBEIRÃO PRETO-SP



Horácio e Tina dão o ar da graça - Tina, mais uma vez, com seu irmão atualmente desaparecido. "BIDU NA SUBIDA DO MORRO" apresenta duas páginas tais, no final das contas, fazem a gente pensar um pouco.



Uma história realmente divertida é "RETRATO FALADO". Bem simples e curta, porém, garante uma boa gargalhada. Mônica faz um desenho de Cebolinha e ele começa a falar. A situação é mostrada claramente que não é bem assim, mas, o tempo todo, Mônica não se dá conta do que realmente estava acontecendo. 

Mônica, Cascão e o "RETRATO FALADO". 
Nossa! E agora?
O que segue são mais tramas interessantes: 

Astronauta é "O DEUS SOL".

"O DEUS SOL" é uma trama do Astronauta onde ele é considerado uma espécie de Deus a uma civilização alternativa de um planeta bem parecido com a Terra, só que muito gelado. O desfecho dela não é nada correto e fico pensando que hoje em dia, talvez, esse final seria mudado, pois (lá vem "SPOILER!") o Astronauta simplesmente vai embora tapeando todo mundo.


"O MENESTREL": nenhum personagem conhecido,
muita genialidade envolvida - uma obra-prima.

"O MENESTREL" é uma obra-prima que não apresenta nenhum personagem já conhecido. Trata-se de algo a parte. A trama é ambientada dentro de um formigueiro onde um estranho lá chega e não quer saber de trabalhar da mesma forma como todos. Como ele ganha as graças da rainha, acaba se ocupando como seu menestrel (músico ou poeta ambulante, descompromissado, também chamado, em algumas localidades, de "trovador") e um comandante dos operários acaba não gostando nada dessa história.


 Mônica 18 é realmente um volume muito interessante: boas histórias, boas reflexões.





Cebolinha é "O SANFONEIRO".

Cebolinha 18 também traz uma HQ atípica logo na abertura: "O SANFONEIRO" é uma das poucas tramas onde os personagens mudam de roupa. Vestidos a caráter, a turminha vai a uma festa junina. Chegando lá, o sanfoneiro não aparece para animar o pessoal. Cascão, tendo a informação de que Cebolinha "arranha" algo na sanfona, resolve projetá-lo à multidão como um grande artista. O meio dessa situação toda é recheado de piadinhas que, juntas, formam esse excelente trabalho. 



Piteco vem logo depois, apresentando-nos um pensamento leve a respeito do casamento. 



Em seguida, uma história muito louca é contada em "MIAU?". Isto porque Cebolinha arruma um pintinho (é uma ave, pessoal!) e este mia. Tudo é muito confuso e doido... e eu ri (há uma boa mensagem embutida nesse contexto, só quem está realmente atento irá perceber). 



Também gostei da HQ de Rolo e Tina. Reflexão pura sobre o respeito animal já naqueles tempos, hein!? Muito bem!


Maria Cascuda é "O GRANDE AMOR DO CASCÃO".

"O GRANDE AMOR DO CASCÃO" - outro show que valoriza demais esta edição e merecia ter sido republicada antes e, ao que eu saiba, não foi. Trata-se da estreia de Maria Cascuda - a namorada do Cascão. A princípio, ela também aparece toda sujinha e com um visual supostamente desleixado. Com o tempo, Maria Cascuda passa a aparecer também limpinha e vemos que o cabelo bagunçado era, na verdade, sua natureza mesmo. Era bastante comum encontrar nas HQs antigas do Mauricio um certo apelo embutido à sociedade, à política e ao meio ambiente. Muitas vezes, esse apelo era tão embutido que dificilmente percebia-se. Mas é só ler a trama com um pouco mais de atenção que somos capazes de encontrar tais pérolas ali, mais ou menos escondidas. Particularidades de uma época de censuras. (até parece que hoje não tem, né?)





Ainda há mais diversão com "MÔNICA CARECA" e "A RIFA"; e um banho misterioso do Astronauta em um rio ou lago onde coisas inexplicáveis acontecem. A edição termina com "O DUELO": uma brincadeira com armas no melhor estilo bandido e mocinho tal qual nunca mais veremos hoje em dia. Sabe como é: o governo precisa de crianças anencéfalas, incapazes de aprender a distinguir o bem do mal em suas brincadeiras, assim podem roubar mais do povo através das próximas gerações que estarão perdidas, pois, penso eu, que a noção entre bom e ruim está cada vez mais dissipada na criação dessa molecada. Voltando à história, ela mostra Cebolinha e Cascão brincando de bangue-bangue. O quadrinho final me arrancou uma gargalhada bem gostosa.



Outra hora eu volto: ainda quero compartilhar as revistas do Chico Bento, Cascão e Magali. Até mais, pessoal!



Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº17: Cebolinha nº 79 é o Escolhido...

Olá pessoal. Neste domingo (28), continuaremos com a nossa caminhada através da nossa gibiteca, que nesta postagem falara sobre a Revista Cebolinha nº 79, que está atualmente nas bancas, custando R$ 3,50.


A revista é composta pelas seguintes aventuras:

O escolhido - onde o Cebolinha encontra um anel que tem como poder, um desejo muito estranho, o que deve ser?

Torcicolo - Titi fica com dor no pescoço depois de olhar rápido para uma, porém ele não vai ser o único a se machucar no final, quem será que vai se machucar também?

A porta - Cebolinha e sua imaginação novamente impedida pela Mônica e suas travessuras.

Mônica e o boi e seu vestido vermelho (história de uma página) - Gostei da cara do Boi nos três quadrinhos.

A pedra que não estava lá - onde Bidu e o Zé Esquecido tentam descobrir como a Dona Pedra sumiu da história.

Irmão - história muito boa, pois meu mostra a turma como irmãos e não apenas como amigos.

Perto da natureza - onde o Papa Capim mostra porque devemos cuidar da natureza.

O…

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

As 100 edições da Magali na Panini

Desde janeiro de 2007, os gibis da Turma vem sendo publicados pela editora italiana Panini. O contrato vai até 2020, por enquanto. É uma parceria boa, porque se olharmos em qualidade de impressão, a Panini é a melhor das editoras que já publicaram as revistas da TM.  Nesta série do Quadrinhada, abordaremos as 100 edições de cada um dos personagens.

MAGALI - A PRIMEIRA EDIÇÃO



Como foi a primeira edição: a revista da Magali de número 1 na Panini foi publicada em janeiro de 2007, com 68 páginas e por R$2,90. Todas as revistas de nº1 tinham o selo "Edição de lançamento", além de um frontispício sobre a mudança de editora. A capa tem Magali falando ao telefone e Mingau dormindo ouvindo música. A revista contém as seguintes histórias:


Toda prova de amor (11 páginas)O sinal (2 páginas)Tina (4 páginas)História de uma página da MagaliUm olhar diz tudo (4 páginas)Um jeitinho novo de pedir (5 páginas)Ajuda certa (2 páginas)O mistério dos irmãos gêmeos do Dudu (27 páginas)
Nesta revista, …