Pular para o conteúdo principal

Bienal do Livro termina com mais jovens e vendas maiores

Se no geral o ano que passou foi fraco para o mercado editorial brasileiro, com as vendas em 2012 menores que as de 2011, o resultado da 16ª Bienal do Livro Rio foi o avesso disso.
Chegando ao fim neste domingo (8), o maior evento do gênero no país teve comercializados 3,5 milhões de volumes, ante 2,8 milhões na edição de 2011. O faturamento passou de R$ 50 milhões para R$ 71 milhões.

No geral, o público foi até um pouco menor que o de 2011, quando 670 mil pessoas passaram pelo Riocentro ao longo de 11 dias --desta vez, foram 660 mil. As vendas maiores decorreram, na avaliação dos organizadores, da presença maciça de um público com idades entre 15 e 29 anos, consumidor de séries nacionais e internacionais, que vêm dominando as listas de mais vendidos.
Essa faixa etária correspondia a 46% dos frequentadores da Bienal em 2011 e passou a representar mais da metade do público nesta edição, chegando a 51%.
Foi um segmento responsável, por exemplo, pelas cinco primeiras colocações entre os mais vendidos da editora Intrínseca: "A Culpa É das Estrelas" e "Cidades de Papel", de John Green, "Extraordinário", de R.J. Palácio, "O Lado Bom da Vida", de Matthew Quick, e"O Ladrão de Raios", de Rick Riordan.
Mais de dez editores ouvidos pela Folha de São Paulo anunciaram vendas de 20% a 200% maiores que as de dois anos atrás --e a maior parte deles também creditou aos jovens o crescimento nas vendas.
"Nossos livros da linha de filosofia e outros adultos praticamente não saíram. O que bombou aqui foram as juvenis Paula Pimenta, com mais de 3.500 livros de seus oito títulos vendidos, Bruna Vieira, com 2.000 exemplares de seus dois títulos, e outros", disse Judith Almeida, diretora comercial da Autêntica/Gutenberg, grupo que faturou R$ 45 mil em 2011 e esperava passar os R$ 130 mil nesta edição.
Na Record, que teve faturamento 40% maior que em 2011, os livros mais vendidos foram todos para jovens, incluindo os internacionais "Instrumentos Mortais", cinco títulos que somaram mais de 3.000 exemplares vendidos, e "Assassin's Creed", com 2.500. Entre os nacionais, lideraram as vendas os também juvenis Eduardo Spohr, que deu autógrafos por mais de seis horas, e Carina Rissi.
"Do ponto de vista dos editores, isso dá esperança, porque são novos leitores ingressando no mercado, com essa vontade de ler, com a quantidade de livros comprados. Esse leitor jovem é fanático, a gente vê que ele curte mesmo", disse Sônia Jardim, presidente do Sindicato Nacional de Editores de Livros e vice-presidente da Record.

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº17: Cebolinha nº 79 é o Escolhido...

Olá pessoal. Neste domingo (28), continuaremos com a nossa caminhada através da nossa gibiteca, que nesta postagem falara sobre a Revista Cebolinha nº 79, que está atualmente nas bancas, custando R$ 3,50.


A revista é composta pelas seguintes aventuras:

O escolhido - onde o Cebolinha encontra um anel que tem como poder, um desejo muito estranho, o que deve ser?

Torcicolo - Titi fica com dor no pescoço depois de olhar rápido para uma, porém ele não vai ser o único a se machucar no final, quem será que vai se machucar também?

A porta - Cebolinha e sua imaginação novamente impedida pela Mônica e suas travessuras.

Mônica e o boi e seu vestido vermelho (história de uma página) - Gostei da cara do Boi nos três quadrinhos.

A pedra que não estava lá - onde Bidu e o Zé Esquecido tentam descobrir como a Dona Pedra sumiu da história.

Irmão - história muito boa, pois meu mostra a turma como irmãos e não apenas como amigos.

Perto da natureza - onde o Papa Capim mostra porque devemos cuidar da natureza.

O…

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

As 100 edições da Magali na Panini

Desde janeiro de 2007, os gibis da Turma vem sendo publicados pela editora italiana Panini. O contrato vai até 2020, por enquanto. É uma parceria boa, porque se olharmos em qualidade de impressão, a Panini é a melhor das editoras que já publicaram as revistas da TM.  Nesta série do Quadrinhada, abordaremos as 100 edições de cada um dos personagens.

MAGALI - A PRIMEIRA EDIÇÃO



Como foi a primeira edição: a revista da Magali de número 1 na Panini foi publicada em janeiro de 2007, com 68 páginas e por R$2,90. Todas as revistas de nº1 tinham o selo "Edição de lançamento", além de um frontispício sobre a mudança de editora. A capa tem Magali falando ao telefone e Mingau dormindo ouvindo música. A revista contém as seguintes histórias:


Toda prova de amor (11 páginas)O sinal (2 páginas)Tina (4 páginas)História de uma página da MagaliUm olhar diz tudo (4 páginas)Um jeitinho novo de pedir (5 páginas)Ajuda certa (2 páginas)O mistério dos irmãos gêmeos do Dudu (27 páginas)
Nesta revista, …