Pular para o conteúdo principal

Mauricio de Sousa conta por que investiu no público jovem e nos mangás

Do Portal Imprensa


Os quadrinhos da Turma da Mônica fazem parte da infância de muitos leitores brasileiros desde 1959. No entanto, o pai dos personagens, Mauricio de Sousa, percebeu que fazer parte apenas da dessa fase da vida do seu público não era o suficiente e decidiu lançar uma nova linha para os jovens.

À IMPRENSA, o cartunista falou sobre a Turma da Mônica Jovem, o lançamento da revista Chico Bento Moço e ainda explica por que apostou no formato mangá.

Crédito:Divulgação
Mauricio de Sousa apostou nos jovens para não perder o público cativo

IMPRENSA - Você lançou recentemente uma nova linha da Turma da Mônica voltada para os jovens. Por que sentiu essa necessidade?
MAURICIO DE SOUSA - Para recuperar o público que estava escorrendo. Ele [o público] estava indo embora porque a Turma da Mônica infantil era coisa de criança e eles queriam outra coisa e estavam se bandeando para o mangá japonês. Eu precisava ir para a área onde o público jovem estava migrando. Eles gostavam da Turma da Mônica naquele momento e depois achavam que não preenchia mais o seu desejo de consumo, então decidimos fazer alguma coisa para eles. Criar uma Mônica com os seus 15, 16 anos e fazer algo parecido com o mangá japonês. E deu mais que certo.

O mangá do Chico Moço foi pensado para esse mesmo público?
Essa já foi pensada para outros leitores. Achei melhor o [manter] mesmo estilo [da Turma da Mônica Jovem], mas ao mesmo tempo com uma proposta diferente. A proposta do Chico já é mais “abrasileirada”, mais social, mais ecológica. No bojo da história do Chico tem muitas coisas que nós não usamos em outras histórias, inclusive alguma coisa ligada à problemática social. 

Por que apostar no mangá e não em uma HQ tradicional?
Porque não existe mais a HQ tradicional sem a influência do mangá. Em qualquer lugar do mundo. O mangá já transformou a história de quadrinho clássica americana. Toda HQ já vem com pequenos detalhes que lembram o mangá. O pessoal aceitou e hoje é uma linguagem universal. Então, eu apenas não estou fugindo do que está acontecendo do resto do mundo.

Quais são os planos para o futuro da Turma da Mônica Jovem?
A ideia da [Turma da Mônica] Jovem é continuar bombando como está, já que ela é a revista que mais vende no ocidente. Sempre buscando assuntos, temas de interesse desse tipo de público. Para isso a gente tem um contato sempre muito direto, muito online com esse público, para ver o que eles gostam ou não gostam nesse momento. E continuar trabalhando com abertura, com surpresas para o leitor, como foi aquele casamento, como foi o primeiro beijo, e vem outras coisas por aí.

E do Chico Moço?
Continuar com a série e trabalhar para que ela também seja um sucesso.

Crédito:Divulgação
Chico Bento também ganhou versão para os jovens

Ultimamente, temos visto muitas histórias daT urma da Mônica publicadas em outras línguas. Por que você decidiu apostar em leitores estrangeiros?
Eu não aposto em leitores estrangeiros, eu busco mercado em outros países, que é o mesmo processo que os japoneses e americanos usam. Vamos buscar mercado em outros países. Universalizar a nossa produção, o nosso produto.

Sobre as Graphic MSP, por que você decidiu deixar outros autores reinventarem os seus personagens?
Eu não me lembro da gênesis disso tudo. Só sei que em alguma conversa que tive com o Sidney Gusman [responsável pela área de Planejamento Editorial da Mauricio de Sousa Produções] decidimos que podíamos investir em uma coisa meio tabu. Mudar o desenho, permitir que outras pessoas escrevam as histórias, é algo impensável, na maioria dos casos. Só que a marca da Turma da Mônica está tão forte, tão arraigada, que dá pra fazer brincadeiras com ela, que dá para alterar traços, características gráficas, sem que a gente despersonalize os personagens ou as histórias. Então, decidimos começar a fazer isso naquela série MSP 50, onde lançamos três álbuns. E aquilo nos abriu os olhos para que lançássemos publicações periódicas com liberdade de criação dos melhores desenhistas.

Pretende lançar uma segunda edição do projeto?
Sim, lógico. Esse projeto é uma série que não vai se interromper nesses quatro livros. Temos uma lista dos melhores ilustradores do mundo que já estão se preparando para fazer suas próprias edições especiais.

Quais são os próximos projetos da empresa para as crianças e para os jovens?
Para as crianças vamos fazer muitas coisas ligadas à educação. Publicações paradidáticas, entre outras coisas. Para os jovens, depois do Chico Moço, estamos pensando em expandir um pouco mais com edições especiais tanto da Turma Mônica Jovem quanto do Chico.

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº17: Cebolinha nº 79 é o Escolhido...

Olá pessoal. Neste domingo (28), continuaremos com a nossa caminhada através da nossa gibiteca, que nesta postagem falara sobre a Revista Cebolinha nº 79, que está atualmente nas bancas, custando R$ 3,50.


A revista é composta pelas seguintes aventuras:

O escolhido - onde o Cebolinha encontra um anel que tem como poder, um desejo muito estranho, o que deve ser?

Torcicolo - Titi fica com dor no pescoço depois de olhar rápido para uma, porém ele não vai ser o único a se machucar no final, quem será que vai se machucar também?

A porta - Cebolinha e sua imaginação novamente impedida pela Mônica e suas travessuras.

Mônica e o boi e seu vestido vermelho (história de uma página) - Gostei da cara do Boi nos três quadrinhos.

A pedra que não estava lá - onde Bidu e o Zé Esquecido tentam descobrir como a Dona Pedra sumiu da história.

Irmão - história muito boa, pois meu mostra a turma como irmãos e não apenas como amigos.

Perto da natureza - onde o Papa Capim mostra porque devemos cuidar da natureza.

O…

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

As 100 edições da Magali na Panini

Desde janeiro de 2007, os gibis da Turma vem sendo publicados pela editora italiana Panini. O contrato vai até 2020, por enquanto. É uma parceria boa, porque se olharmos em qualidade de impressão, a Panini é a melhor das editoras que já publicaram as revistas da TM.  Nesta série do Quadrinhada, abordaremos as 100 edições de cada um dos personagens.

MAGALI - A PRIMEIRA EDIÇÃO



Como foi a primeira edição: a revista da Magali de número 1 na Panini foi publicada em janeiro de 2007, com 68 páginas e por R$2,90. Todas as revistas de nº1 tinham o selo "Edição de lançamento", além de um frontispício sobre a mudança de editora. A capa tem Magali falando ao telefone e Mingau dormindo ouvindo música. A revista contém as seguintes histórias:


Toda prova de amor (11 páginas)O sinal (2 páginas)Tina (4 páginas)História de uma página da MagaliUm olhar diz tudo (4 páginas)Um jeitinho novo de pedir (5 páginas)Ajuda certa (2 páginas)O mistério dos irmãos gêmeos do Dudu (27 páginas)
Nesta revista, …