Pular para o conteúdo principal

Quadrinhopédia: Algumas considerações sobre Cebolinha 78

FABIANO CALDEIRA

Não me rotulo um real colecionador de gibis. Quando digo "minha coleção" ou qualquer termo parecido, é apenas para simplificar meu hábito de comprar e manter minhas revistas. Para mim, colecionador é aquele cara que não perde um número. Não é o meu caso, pois, se a revista não me interessa, não compro. Outras vezes acabo comprando porque sou influenciado por uma capa chamativa, um diferencial em determinado título. Muitas vezes acabo gostando da aquisição, mas há ocasiões em que infelizmente não vejo nada demais. É o caso da edição deste mês de Cebolinha, que trouxe uma bela capa, a aventura, porém, não tem um sentido de ser. Fiquei o tempo todo lendo e, quando dei por mim, chegou o fim. Ela ocupou vinte páginas de nada. Qual é a necessidade disso?
O Astronauta (curiosamente, um personagem que não dou muita bola nessas novas publicações) foi quem demonstrou que é possível encontrar um bom momento de lazer nesta edição. Sua aventura vivenciada desta vez mostra uma mulher, no espaço, em forma de flor. Não foi algo tão interessante a ponto de recomendar que comprem a revista por causa disso, porém,  a amarração é boa, o desenvolvimento dos diálogos dele para com a "mulher-flor" do espaço é bacana e, aos quem não dispensam um bom desenho com atrativas formas femininas, ainda que neste caso sejam formas bem mais simples, pode-se dizer que a HQ cumpre com seu papel de entreter através desses fatores mais atrativos em sua arte.
Por incrível que pareça, a Maria Cebolinha acabou dando uma página bem bacana também.Quem diria que esse universo tão "baby" da turminha resultaria em um trabalho que seria visto com interessante consideração.
Pra encerrar, uma história com Cascão e Cebolinha, onde vão usando várias fantasias de super-heróis. Vários personagens também vão aparecendo, cada um com sua fantasia. Gosto desse tipo de coisa, só que não são poucas as atuais publicações que vêm mostrando situação semelhante e isso vem me cansando. Se ao menos houvesse algo inovador e realmente diferente, mas o que percebo é que elas costumam ter sempre o mesmo padrão bobo, bem simples de ser e sem muito a oferecer. A trama em si não é tão ruim, mas, na minha opinião, ela teria sido melhor se realmente houvesse mais criatividade no roteiro.

É ruim vir aqui e falar mal de uma revista. Prefiro mostrar aquelas que gosto, que me transmitiam coisas boas. Porém, entendo que alguns amigos um dia podem esbarrar com ela por aí, em algum sebo ou loja virtual e podem se mostrar interessados justamente por essa capa inusitada. Por isso foi que resolvi registrar o que achei. Na minha consideração, ela não tem nada de mais - se ainda não compraram, recomendo que economizem suas moedas e, se compraram, seria bom saber a opinião de vocês também, pois sei que o gosto é algo muito individual. Estou aqui, escrevendo tudo isso, quando há alguém lendo e tenha gostado bastante dessa edição. Tudo é possível!

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Jogo do Cascão: conheça a desenvolvedora que criou o game da Turma da Mônica

A desenvolvedora brasileira Insane Games aproveitou a onda dos jogos para redes sociais e hoje se especializou um aplicativos para celulares. A reportagem conversou com o empreendedor Diego Beltran (28), dono do negócio, e com o diretor de áudio Kauê Lemos (24) sobre o novo projeto da companhia: o Jogo do Cascão, em parceria com a Mauricio de Sousa Produções. Confira detalhes da criação na entrevista a seguir. Turma da Mônica é casual “Jogos para celulares são naturalmente mais casuais, porque são fáceis de se jogar enquanto está em uma fila de espera ou num elevador. Os personagens cartunescos do Mauricio de Sousa vestem este conceito como uma luva”, nos explicou Diego Beltran, o CEO que começou a curtir o Atari e o Nintendinho 8 bits quando ainda estava engatinhando. E o Jogo do Cascão não foi o primeiro de sua empresa, a Insane Games. O executivo falou um pouco do primeiro jogo envolvendo os personagens de um dos quadrinhos brasileiros mais consumidos no país: “O primeiro game desta s…

Os 10 anos do Doutor Spam (e Professor Spada)

Há exatos 10 anos, circulava, pelas bancas do Brasil, a revista Mônica #233, ainda na Editora Globo. Nela, ocorreu a estreia do Professor Spada, um professor de informática que tinha um alter-ego: quando ficava muito nervoso, ele se transformava no Doutor Spam, um vilão que sonha em dominar o mundo por meio da informática.

Em sua HQ de estreia (A incrível história do Professor Spada e do Doutor Spam,que já foi republicada em Almanaque da Mônica #29, Panini), o professor é chamado para instalar um computador no quarto de Mônica. Por engano, ela joga o coelhinho no Cebolinha, que acaba acertando o Professor, fazendo com que ele levasse um choque e se transformasse no Doutor Spam, prendendo a turma em sistemas de computador. Só são salvos graças à Bloguinho, que, por meio de um programa anti-spam, faz o vilão voltar a ser o pacato professor de informática.

Professor Spada e seu alter-ego continuam aparecendo nas HQs atuais da TM. Sua última aparição foi em Turma da Mônica #4, publicada …

Gibiteca n° 52: Ghost de Cebolinha (CB #83, Editora Globo)

MATÉRIA POR Luciano Silva
IMAGENS: Internet e Luciano Silva

Depois de um longo período de quase 3 meses fora do ar, a nossa "Gibiteca" está de volta, e nesta postagem será feito uma analise da historia "Ghost de Cebolinha ", que saiu na revista do Cebolinha # 83, em Novembro de 1993, custando "Cr$ 200,00" (equivalente a R$5,45 na moeda corrente atual), pela Editora Globo.
Foto do exemplar:


"Imagem retirada da internet" A história começa com a tradicional perseguição entre a Mônica e o Cebolinha por causa do Sansão, porém nessa vez, quando ela jogou o Sansão em direção ao Cebolinha, o coelhinho dela acaba acertando e derrubando o Cebolinha de um barranco. A partir daí o inesperado acontece, pois ele acaba virando um fantasma, e surge a visita da personagem Dona Morte da Turma do Penadinho, que quer levar o Cebolinha embora com ela. 


No meio da história, a Dona Morte leva o Cebolinha para conhecer de passagem o Inferno e o Céu, pois o personagem aind…