Pular para o conteúdo principal

Quadrinhopédia: Algumas considerações sobre Cebolinha 78

FABIANO CALDEIRA

Não me rotulo um real colecionador de gibis. Quando digo "minha coleção" ou qualquer termo parecido, é apenas para simplificar meu hábito de comprar e manter minhas revistas. Para mim, colecionador é aquele cara que não perde um número. Não é o meu caso, pois, se a revista não me interessa, não compro. Outras vezes acabo comprando porque sou influenciado por uma capa chamativa, um diferencial em determinado título. Muitas vezes acabo gostando da aquisição, mas há ocasiões em que infelizmente não vejo nada demais. É o caso da edição deste mês de Cebolinha, que trouxe uma bela capa, a aventura, porém, não tem um sentido de ser. Fiquei o tempo todo lendo e, quando dei por mim, chegou o fim. Ela ocupou vinte páginas de nada. Qual é a necessidade disso?
O Astronauta (curiosamente, um personagem que não dou muita bola nessas novas publicações) foi quem demonstrou que é possível encontrar um bom momento de lazer nesta edição. Sua aventura vivenciada desta vez mostra uma mulher, no espaço, em forma de flor. Não foi algo tão interessante a ponto de recomendar que comprem a revista por causa disso, porém,  a amarração é boa, o desenvolvimento dos diálogos dele para com a "mulher-flor" do espaço é bacana e, aos quem não dispensam um bom desenho com atrativas formas femininas, ainda que neste caso sejam formas bem mais simples, pode-se dizer que a HQ cumpre com seu papel de entreter através desses fatores mais atrativos em sua arte.
Por incrível que pareça, a Maria Cebolinha acabou dando uma página bem bacana também.Quem diria que esse universo tão "baby" da turminha resultaria em um trabalho que seria visto com interessante consideração.
Pra encerrar, uma história com Cascão e Cebolinha, onde vão usando várias fantasias de super-heróis. Vários personagens também vão aparecendo, cada um com sua fantasia. Gosto desse tipo de coisa, só que não são poucas as atuais publicações que vêm mostrando situação semelhante e isso vem me cansando. Se ao menos houvesse algo inovador e realmente diferente, mas o que percebo é que elas costumam ter sempre o mesmo padrão bobo, bem simples de ser e sem muito a oferecer. A trama em si não é tão ruim, mas, na minha opinião, ela teria sido melhor se realmente houvesse mais criatividade no roteiro.

É ruim vir aqui e falar mal de uma revista. Prefiro mostrar aquelas que gosto, que me transmitiam coisas boas. Porém, entendo que alguns amigos um dia podem esbarrar com ela por aí, em algum sebo ou loja virtual e podem se mostrar interessados justamente por essa capa inusitada. Por isso foi que resolvi registrar o que achei. Na minha consideração, ela não tem nada de mais - se ainda não compraram, recomendo que economizem suas moedas e, se compraram, seria bom saber a opinião de vocês também, pois sei que o gosto é algo muito individual. Estou aqui, escrevendo tudo isso, quando há alguém lendo e tenha gostado bastante dessa edição. Tudo é possível!

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Veja entrevista com Monica Sousa, filha de Mauricio de Sousa

Hoje (23) a Folha divulgou uma entrevista exclusiva com Monica Sousa, filha de Mauricio de Sousa. É difícil olhar para Mônica Sousa, 52 anos, e não se lembrar da personagem dentuça que seu pai criou. Vestindo uma camisa vermelha parecida com o vestido da Mônica do gibi, a filha do cartunista Mauricio de Sousa conversou com a "Folhinha" sobre a personagem que inspirou, a relação com a Mônica Jovem e fez um apelo: "Pai, crie personagem inspirados nos meus filhos! [ela tem dois, já adultos]".



Veja a entrevista:
Folha - Sua relação com a Mônica sempre foi boa? Mônica - Enquanto era pequena, foi ótimo. Acompanhava meu pai nos programas de TV, o [cantor] Jair Rodrigues me pegou no colo, a [cantora] Elis Regina me levou ao banheiro. Mas, na pré-adolescência, não gostava mais de ter inspirado a Mônica. Tiravam sarro de mim na escola. 
Você sofria bullying por causa da Mônica?  Não, porque eu sabia me defender. Acho que a criança precisa aprender a reagir. Afinal, ela vai sofr…

Mônica Especial de Natal #9: metade repeteco, metade inédito

Já está nas bancas o Mônica Especial de Natal #9, título anual da MSP, que republica HQs de Natal. 

A HQ que abre a revista é O caso das árvores (MN #145, nov/98, 23 páginas), em que a Turminha fica sem árvores de Natal, por conta dos preços altos dos pinheiros que ainda existem. A questão é que, sem árvores, o Papai Noel não tem onde colocar os presentes, e aí gera toda a confusão, com direito a prisão, machados, homem cortando árvore incorretamente, e por aí vai. O interessante é que a HQ é dividida em 3 partes, sendo que a primeira e a terceira tem desenhos e letras diferentes da segunda parte, dando a impressão que foi desenhada e escrita por duas pessoas diferentes. Esta é a segunda vez que a HQ é republicada em gibis de Natal, mas desta vez deram um time de 10 anos entre uma republicação e outra.
Em seguida, Qual dar?! (CC #415, dez/02, 2 páginas), Cascão fica em dúvida no que dar para a Maria Cascuda. HQ curtinha e com um final interessante. Também é a segunda vez que é republ…

Almanaque Temático #45 - Capitão Feio

Circula pelas bancas o Almanaque Temático 45, lançado em janeiro de 2018. Custa R$8,00.

Lista de histórias:
O minigame do Capitão Feio - 13 páginas - original de CC #141 (Editora Globo, junho de 1992)Exibido, eu? - 4 páginas - original de CC #204 (Editora Globo, novembro de 1994)Bebês trocados - 17 páginas - original de CC #260 (Editora Globo, dezembro de 1996)Não acredito!! - 18 páginas - original de CC #442 (Editora Globo, novembro de 2004)Que tédio - 10 páginas - original de CC #280 (Editora Globo, setembro de 1997)Proposta repelente - 17 páginas - original de CC #186 (Editora Globo, fevereiro de 1994)Dr. Olimpo x Capitão Feio - 10 páginas - original de CC #282 (Editora Globo, outubro de 1997)O porquinho borralheiro - 18 páginas - original de CC #411 (Editora Globo, outubro de 2002)Sujeira, pra que te quero - 16 páginas - original de CC #433 (Editora Globo, fevereiro de 2004)O menino da máscara do Ursinho Bilu - 18 páginas - original de CC #357 ( Editora Globo, setembro de 2000)Os t…