Pular para o conteúdo principal

Cartunistas recriam a personagem mais famosa de Mauricio de Sousa em novo livro

DO PORTAL IMPRENSA

Em meio à intensa busca de muitos pela juventude eterna, uma garota dentuça e gordinha guarda a sete chaves o segredo para esbanjar vigor aos 50 anos. Mônica, a personagem mais famosa do cartunista Mauricio de Sousa, acaba de completar meio século de vida. E, para celebrar o momento, ganhou um livro em que 150 dos mais renomados artistas gráficos do mundo a recriam.

“M?nica(s)”, publicado pela editora Panini, traz autores do Brasil, Estados Unidos, Itália, Portugal e Argentina, mesclando nomes já consagrados, como Fernando Gonsales, Guido Crepax e Milo Manara, a outros que começam a trilhar suas carreiras. como Vivian Mota. A paulistana ficou conhecida com a série “Sampa versus Buenos”, em que contrapõe símbolos da cultura paulista e portenha, como a personagem Mafalda, do cartunista Quino, e a própria Mônica.

“Assim como muita gente, aprendi a ler e a desenhar com os quadrinhos do Mauricio de Sousa. Ainda guardo as revistinhas número 1 e 2 da ‘Turma da Mônica’ em casa”, confessa a desenhista, que hoje conta com seu próprio estúdio, o Rabiscorama. “Procurei respeitar os traços mais marcantes da Mônica. A releitura reflete a lembrança que guardo da minha infância.”

Ao contrário de Vivian, o cartunista Ricardo Manh?es conheceu a “Turma da Mônica” já crescido, depois que retornou ao Brasil. Aos 8 anos teve que se mudar para o sul da França com os pais, onde teve contato com grandes cartunistas franco-belgas, como Hergé, autor das “Aventuras de Tintin”, e Albert Uderzo e René Goscinny, criadores de Asterix e Obelix.

A influência foi decisiva no estilo de traço que assumiria ao longo da carreira. Um dos poucos representantes do estilo franco- belga no Brasil, Manhães foi convidado para fazer uma releitura da “Turma da Mônica” versão adulta, para uma trilogia especial em comemoração aos 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa, em 2010. O trabalho agradou, e foi convidado novamente, desta vez, para celebrar o cinquentenário da dentucinha.

“O estilo franco-belga permite um maior n?mero de detalhes nas vestimentas, já o traço do Mauricio é mais tradicional, não tenta impor ao leitor a classe social de seus personagens. Então, respeitei isso, achei que se eu colocasse botões, golas, entre outros detalhes nas roupas, iria descaracterizar os personagens. O Cebolinha, por exemplo, mantive cal?ado, como o original.”

Para o ilustrador, a proposta do livro é uma grande oportunidade de disseminar o trabalho de profissionais ainda pouco conhecidos. “Através de um personagem marcante como a Mônica, que naturalmente gera interesse, pessoas com estilos completamente diferentes têm a oportunidade de conhecer traços novos, e também passarem a ser novos consumidores”. Manter a identidade da turma também foi uma preocupação de Fabio Coala, do portal de HQs “Mentirinhas”. 

Foram dez rascunhos antes de chegar ao que melhor representasse a personagem, sem deixar de lado sua própria assinatura como cartunista. “A grande sacada do desenho está no Sansão. O desenhei gigante e com os olhos um de cada cor, em referência ao meu personagem, o Monstro, uma pelúcia que multiplica de tamanho e protege as crianças. O Sansão é o Monstro da Mônica.”

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Veja entrevista com Monica Sousa, filha de Mauricio de Sousa

Hoje (23) a Folha divulgou uma entrevista exclusiva com Monica Sousa, filha de Mauricio de Sousa. É difícil olhar para Mônica Sousa, 52 anos, e não se lembrar da personagem dentuça que seu pai criou. Vestindo uma camisa vermelha parecida com o vestido da Mônica do gibi, a filha do cartunista Mauricio de Sousa conversou com a "Folhinha" sobre a personagem que inspirou, a relação com a Mônica Jovem e fez um apelo: "Pai, crie personagem inspirados nos meus filhos! [ela tem dois, já adultos]".



Veja a entrevista:
Folha - Sua relação com a Mônica sempre foi boa? Mônica - Enquanto era pequena, foi ótimo. Acompanhava meu pai nos programas de TV, o [cantor] Jair Rodrigues me pegou no colo, a [cantora] Elis Regina me levou ao banheiro. Mas, na pré-adolescência, não gostava mais de ter inspirado a Mônica. Tiravam sarro de mim na escola. 
Você sofria bullying por causa da Mônica?  Não, porque eu sabia me defender. Acho que a criança precisa aprender a reagir. Afinal, ela vai sofr…

Mônica Especial de Natal #9: metade repeteco, metade inédito

Já está nas bancas o Mônica Especial de Natal #9, título anual da MSP, que republica HQs de Natal. 

A HQ que abre a revista é O caso das árvores (MN #145, nov/98, 23 páginas), em que a Turminha fica sem árvores de Natal, por conta dos preços altos dos pinheiros que ainda existem. A questão é que, sem árvores, o Papai Noel não tem onde colocar os presentes, e aí gera toda a confusão, com direito a prisão, machados, homem cortando árvore incorretamente, e por aí vai. O interessante é que a HQ é dividida em 3 partes, sendo que a primeira e a terceira tem desenhos e letras diferentes da segunda parte, dando a impressão que foi desenhada e escrita por duas pessoas diferentes. Esta é a segunda vez que a HQ é republicada em gibis de Natal, mas desta vez deram um time de 10 anos entre uma republicação e outra.
Em seguida, Qual dar?! (CC #415, dez/02, 2 páginas), Cascão fica em dúvida no que dar para a Maria Cascuda. HQ curtinha e com um final interessante. Também é a segunda vez que é republ…

Almanaque Temático #45 - Capitão Feio

Circula pelas bancas o Almanaque Temático 45, lançado em janeiro de 2018. Custa R$8,00.

Lista de histórias:
O minigame do Capitão Feio - 13 páginas - original de CC #141 (Editora Globo, junho de 1992)Exibido, eu? - 4 páginas - original de CC #204 (Editora Globo, novembro de 1994)Bebês trocados - 17 páginas - original de CC #260 (Editora Globo, dezembro de 1996)Não acredito!! - 18 páginas - original de CC #442 (Editora Globo, novembro de 2004)Que tédio - 10 páginas - original de CC #280 (Editora Globo, setembro de 1997)Proposta repelente - 17 páginas - original de CC #186 (Editora Globo, fevereiro de 1994)Dr. Olimpo x Capitão Feio - 10 páginas - original de CC #282 (Editora Globo, outubro de 1997)O porquinho borralheiro - 18 páginas - original de CC #411 (Editora Globo, outubro de 2002)Sujeira, pra que te quero - 16 páginas - original de CC #433 (Editora Globo, fevereiro de 2004)O menino da máscara do Ursinho Bilu - 18 páginas - original de CC #357 ( Editora Globo, setembro de 2000)Os t…