Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional dos Quadrinhos: profissionais apostam em histórias na internet

DO BOL


Em 30 de janeiro, o Brasil comemora o Dia Nacional dos Quadrinhos, arte que está ganhando força no país com o surgimento de novas opções de leitura online. A reportagem do BOL conversou com Fábio Yabu e André Diniz, quadrinistas que usam a internet como veículo de publicação, e mostra que o cenário é otimista para quem está disposto a fazer boas histórias online.
Pioneiro no Brasil
Fábio Yabu, 33 anos, se define atualmente como escritor. Ele foi um dos primeiros a apostar na web como ferramenta para publicar suas histórias em quadrinhos. Em 1998, criou o site Combo Rangers, série em quadrinhos inspirada em super-heróis japoneses e feita exclusivamente para a web. "Na época era a única opção. Eu tinha 17 anos e nenhum contato com editoras, então arrisquei no formato online e, para minha surpresa, o site foi um sucesso", conta.
André Diniz aposta no site Muzinga para lançar histórias em quadrinhos na webDepois de quatro anos, em 2002, o Combo Rangers chegou a receber mais de 15 mil acessos por dia em uma época em que poucos brasileiros tinham internet em casa. Fábio acredita que não teria o mesmo sucesso se fosse partir para o impresso. "Fazer quadrinhos na mídia impressa não é rentável. A distribuição é complicada, envolve muitas empresas como editoras, livrarias, pontos de venda, logística, etc. Além de o mercado consumidor deste tipo ser baixo no país."
Em 2001, o Combo Rangers foi parar nas bancas pela editora Panini, mas não conseguiu manter o vigor que tinha na internet. Em 2004, as vendas nas bancas foram encerradas, e Fábio decidiu também que era hora de dar fim ao site. "Havia dificuldade na mídia online também. Naquela época o mercado na web era retraído e a publicidade não era tão abundante. Fechei o site, mas os fãs ficaram", afirma Fábio.
E os fãs que ficaram não sossegaram até conseguir que novas histórias fossem elaboradas. Em 2013, o site voltou e o quadrinista descobriu o poder do financiamento coletivo via internet. Fábio arrecadou R$ 67 mil para publicar novas histórias na mídia impressa, garantindo um retorno gratificante aos fãs do personagem, com direito a lançamento de livro na Bienal do Rio de Janeiro.
Para Fábio, foi emocionante o apoio financeiro e o suporte emocional dos fãs. "Não é fácil realizar um sonho, mas durante anos fiz boas histórias para o público e é bom saber que as pessoas leem as histórias e queriam novidade".
Fábio conta também que o site não traz retorno financeiro, mas funciona como porta de entrada para os fãs conhecerem os personagens e suas histórias, disponíveis para vendas nas livrarias e em formato digital. "Ainda não dá para sobreviver com quadrinhos online, pelo menos no meu caso, mas isso não me preocupa agora, uma vez que tenho outras atividades mais rentáveis".
Criação online
Para André Diniz, roteirista e desenhista de histórias em quadrinhos, a internet atinge um público maior e serve como uma ferramenta importante de leitura. Ele acredita que os quadrinhos chamam a atenção por sua essência. "Quadrinhos mesclam duas formas de arte para contar uma história: o desenho e a escrita, as duas com o mesmo grau de importância. Elas viraram uma coisa só."
Aos 38 anos, André produz HQs desde 1994 e já ganhou 17 prêmios por suas criações. Ele publicou no mercado impresso histórias como "7 Vidas", "Fawcett" e "Morro da Favela", e suas histórias estão presentes em bibliotecas de várias escolas públicas do Brasil. Mas ainda faltava um projeto que alcançasse um grande público, foi daí que surgiu o site Muzinga.
"O site é talvez o projeto da minha vida", afirma André, sem exagero. Ao lado da esposa, Marcela Mannheimer, ele se cansou da dinâmica do mercado de livrarias, que demora meses para publicar uma história, limitando o número de cópias e cobrando um preço nem sempre justo.
"No Muzinga, nós fazemos cada história em um ou dois dias e, assim que está pronta, ela vai ao ar. Qualquer pessoa pode lê-la na mesma hora, a custo zero. Sabemos também a opinião dos leitores sobre a história. Isso é fascinante", afirma.
Abastecido duas vezes por semana, às terças e sextas-feiras, o site publica aos leitores novas histórias e foi pensado para atingir também o público mais jovem, que usa smartphone ou tablet.
André acredita que essa aproximação com a web é vital para o mercado de quadrinhos. "Nos EUA, a produção de conteúdo online já responde a 10% das vendas de quadrinhos. Se trouxermos esse mercado ao Brasil, país de poucas livrarias, e ao mesmo tempo um dos países que mais abraçam novas tecnologias, podemos fazer uma excelente produção voltada para o digital".
Ele também se mostra otimista com a qualidade da criação brasileira. "Há uma explosão criativa dos autores como nunca houve antes, e o público e a mídia estão interessados nesse movimento. E, se por um lado fica cada vez mais difícil contar com boa parte das editoras, por outro é perfeitamente viável ao autor se autopublicar, seja no impresso ou no digital".
Mas é importante frisar que dinheiro não é algo que venha fácil quando o assunto é quadrinhos. O site de André Diniz, por exemplo, estreou recentemente e ainda não fatura com publicidade, mas serve para divulgar o trabalho do autor e torná-lo mais conhecido do publico.
"Não penso nele como a minha fonte de renda, mas como uma parte importante do meu trabalho. Se os quadrinhos online fizerem os meus livros impressos venderem mais ou criarem um público para os meus e-books, então eu vou viver também do lucro indireto que eles me proporcionarem", afirma.
HQs na web
E quem pensa em começar a divulgar suas histórias em quadrinhos pela internet deve ficar atento a alguns macetes. Primeiro, é não achar que está entrando em uma espécie de negócio. Facilita para o quadrinista acreditar mais no sentido de uma aventura, que pode ter ou não grandes resultados.
André Diniz afirma que o mais importante é ser apaixonado por quadrinhos. "O mais importante no primeiro momento é a paixão por se expressar pela linguagem dos quadrinhos e a dialogar através dela com o público. Sem essa paixão, não vale a pena nem começar. Se houver um lucro mais à frente, ele será fruto dessa paixão.", relata.
Mas não é para abusar da fantasia e deixar o profissionalismo de lado.  É importante levar o meio digital a sério. "É necessário estudar os formatos que funcionam para a dinâmica da internet. Fazer pensando no papel e jogar na web por falta de opção não é um bom caminho", aponta André, que também diz que o uso tecnologia é fundamental para disseminar personagens e ficar mais popular.

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº17: Cebolinha nº 79 é o Escolhido...

Olá pessoal. Neste domingo (28), continuaremos com a nossa caminhada através da nossa gibiteca, que nesta postagem falara sobre a Revista Cebolinha nº 79, que está atualmente nas bancas, custando R$ 3,50.


A revista é composta pelas seguintes aventuras:

O escolhido - onde o Cebolinha encontra um anel que tem como poder, um desejo muito estranho, o que deve ser?

Torcicolo - Titi fica com dor no pescoço depois de olhar rápido para uma, porém ele não vai ser o único a se machucar no final, quem será que vai se machucar também?

A porta - Cebolinha e sua imaginação novamente impedida pela Mônica e suas travessuras.

Mônica e o boi e seu vestido vermelho (história de uma página) - Gostei da cara do Boi nos três quadrinhos.

A pedra que não estava lá - onde Bidu e o Zé Esquecido tentam descobrir como a Dona Pedra sumiu da história.

Irmão - história muito boa, pois meu mostra a turma como irmãos e não apenas como amigos.

Perto da natureza - onde o Papa Capim mostra porque devemos cuidar da natureza.

O…

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

As 100 edições da Magali na Panini

Desde janeiro de 2007, os gibis da Turma vem sendo publicados pela editora italiana Panini. O contrato vai até 2020, por enquanto. É uma parceria boa, porque se olharmos em qualidade de impressão, a Panini é a melhor das editoras que já publicaram as revistas da TM.  Nesta série do Quadrinhada, abordaremos as 100 edições de cada um dos personagens.

MAGALI - A PRIMEIRA EDIÇÃO



Como foi a primeira edição: a revista da Magali de número 1 na Panini foi publicada em janeiro de 2007, com 68 páginas e por R$2,90. Todas as revistas de nº1 tinham o selo "Edição de lançamento", além de um frontispício sobre a mudança de editora. A capa tem Magali falando ao telefone e Mingau dormindo ouvindo música. A revista contém as seguintes histórias:


Toda prova de amor (11 páginas)O sinal (2 páginas)Tina (4 páginas)História de uma página da MagaliUm olhar diz tudo (4 páginas)Um jeitinho novo de pedir (5 páginas)Ajuda certa (2 páginas)O mistério dos irmãos gêmeos do Dudu (27 páginas)
Nesta revista, …