Pular para o conteúdo principal

O adeus de Moacy Cirne

DA TRIBUNA DO NORTE

Morreu neste sábado (11), aos 70 anos, por volta das 13 horas, no Hospital da Unimed, em Natal, o poeta, artista visual e professor Moacy Cirne, considerado o maior estudioso brasileiro das histórias em quadrinhos e um dos fundadores do movimento que ficou conhecido como Poema/Processo. O corpo será velado hoje a partir das 20h no Centro de Velório do Morada da Paz, na Rua São José, bairro Lagoa Seca. O sepultamento ocorrerá em Caicó, onde o escritor nasceu. O horário ainda está sendo definido.


Moacy Cirne contesta edição da global editora sobre obra de cascudoMoacy Cirne contesta edição da global editora sobre obra de cascudo

Conhecido por sua paixão pelos quadrinhos e pelo time do Fluminense, Moacy sofreu uma parada cardíaca pouco tempo depois de passar por um procedimento cirúrgico. O poeta ainda ficou em coma induzido, mas não resistiu, afirmou seu enteado. Ele havia descoberto um câncer no fígado recentemente. 

Moacy nasceu em São José do Seridó/Jardim do Seridó, em 1943 e é considerado referência até hoje quando se trata de Histórias em Quadrinhos no Brasil, segundo a editora da Universidade Federal Fluminense (UFF). Pioneiro na área, escreveu livros como A explosão criativa dos Quadrinhos, Ideologia e desmistificação dos super-heróis, Bum! – a explosão criativa dos quadrinhos e Literatura em quadrinhos no Brasil, entre outros. A paixão pelo assunto nasceu quando ainda era criança. "Ela começou em Caicó, interior do Rio Grande do Norte, no final dos anos 40. O Tico-Tico (primeira revista de nível nacional a apresentar histórias em quadrinhos para o público infanto-juvenil) representava todo um mundo para mim", esclareceu em entrevista concedida à editora da UFF anos atrás. Você confere a entrevista aqui

Seu último livro - Seridó Seridós - foi lançado no último dia 14 e como ele próprio disse, em entrevista à Tribuna do Norte, " tem um pouco de tudo: de críticas a memórias e fotos, de homenagens, poemas a listas de livros e filmes", afirmou o homem, que era ao mesmo tempo poeta/processo, professor, escritor, pesquisador, cinéfilo, jornalista e leitor de quadrinhos.

Muitos lamentaram a morte do poeta Moacy Cirne nas redes sociais.

> O jornalista Carlos Magno Araújo postou em seu twitter mais cedo: "Luto na cultura potiguar. Muito triste com a morte de Moacy Cirne". E acrescentou no instagram: "Com as cores que ele amava, homenageio o grande Moacy Cirne. Morreu no início da tarde. Há pouco tempo descobriu um câncer no fígado. Ontem se submeteu a cirurgia. Pouco tempo depois sofreu parada cardíaca. Ainda ficou em coma induzido, mas não resistiu. Caicoense, tricolor roxo, abecedista, quadrinista, escritor, jornalista. Uma grande figura humana. Potiguar que nos orgulha", junto a foto do uniforme do Fluminense.


> O produtor musical José Dias Júnior, marido da cantora Khrystal, postou no facebook: " Que tristeza".

> O também jornalista Tácito Costa publicou um texto em seu blog Substantivo Plural esclarecendo a causa da morte: "Moacy estava internado desde a última quarta-feira, quando deu entrada no hospital para fazer procedimentos médicos relacionados a um tratamento antigo que fazia para combater uma hepatite. Durante o procedimento o quadro clínico se complicou e o escritor teve posteriormente uma parada cardíaca, foi levado a UTI mas não resistiu. O velório deverá ocorrer a partir desta tarde no Centro Morada da Paz, na rua São José, e o sepultamento ocorrerá amanhã em Caicó (Fátima ficou de me ligar para confirmar essas últimas informações)".

> A poetisa Carmem Vasconcelos também postou uma mensagem sobre a morte de Moacy nas redes sociais: "Luto no meu coração". Carmem chegou a escrever um poema sobre a finitude da vida anos atrás: "nem a delicadeza das harpas, nem a fúria dos arpões. Ninguém dentro de mim me anima a desafiar o acabar das coisas (...)".

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº17: Cebolinha nº 79 é o Escolhido...

Olá pessoal. Neste domingo (28), continuaremos com a nossa caminhada através da nossa gibiteca, que nesta postagem falara sobre a Revista Cebolinha nº 79, que está atualmente nas bancas, custando R$ 3,50.


A revista é composta pelas seguintes aventuras:

O escolhido - onde o Cebolinha encontra um anel que tem como poder, um desejo muito estranho, o que deve ser?

Torcicolo - Titi fica com dor no pescoço depois de olhar rápido para uma, porém ele não vai ser o único a se machucar no final, quem será que vai se machucar também?

A porta - Cebolinha e sua imaginação novamente impedida pela Mônica e suas travessuras.

Mônica e o boi e seu vestido vermelho (história de uma página) - Gostei da cara do Boi nos três quadrinhos.

A pedra que não estava lá - onde Bidu e o Zé Esquecido tentam descobrir como a Dona Pedra sumiu da história.

Irmão - história muito boa, pois meu mostra a turma como irmãos e não apenas como amigos.

Perto da natureza - onde o Papa Capim mostra porque devemos cuidar da natureza.

O…

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

As 100 edições da Magali na Panini

Desde janeiro de 2007, os gibis da Turma vem sendo publicados pela editora italiana Panini. O contrato vai até 2020, por enquanto. É uma parceria boa, porque se olharmos em qualidade de impressão, a Panini é a melhor das editoras que já publicaram as revistas da TM.  Nesta série do Quadrinhada, abordaremos as 100 edições de cada um dos personagens.

MAGALI - A PRIMEIRA EDIÇÃO



Como foi a primeira edição: a revista da Magali de número 1 na Panini foi publicada em janeiro de 2007, com 68 páginas e por R$2,90. Todas as revistas de nº1 tinham o selo "Edição de lançamento", além de um frontispício sobre a mudança de editora. A capa tem Magali falando ao telefone e Mingau dormindo ouvindo música. A revista contém as seguintes histórias:


Toda prova de amor (11 páginas)O sinal (2 páginas)Tina (4 páginas)História de uma página da MagaliUm olhar diz tudo (4 páginas)Um jeitinho novo de pedir (5 páginas)Ajuda certa (2 páginas)O mistério dos irmãos gêmeos do Dudu (27 páginas)
Nesta revista, …