Pular para o conteúdo principal

[ESPECIAL] Quais eram os planos de Mauricio de Sousa ao trocar de editora?

Aproveitando o marco das edições 100 na Editora Panini, o Quadrinhada traz uma reportagem especial sobre os planos de Mauricio de Sousa ao sair da Editora Globo e ir para a Editora Panini, há 8 anos. Entre as metas de Mauricio naquela época, estava criar a TM em mangá - até então, nem se pensava em mangá jovem - e alcançar o mercado internacional.
As primeiras edições na Panini

O Quadrinhada trará, abaixo, dois textos retirados dos portais G1 e O Globo, quando a TM mudou de editora. As partes grifadas trazem os planos de Mauricio. Depois dos textos, veja o que foi cumprido e o que não foi.


Portal G1 - 10 de janeiro de 2007
“Turma da Mônica” muda de editora pensando no exterior
Após 20 anos na editora Globo, todos os títulos da “Turma da Mônica” passam, a partir deste início de 2007, para a multinacional Panini. Com mais de um milhão de exemplares vendidos mensalmente, “Mônica”, “Cebolinha”, “Cascão” e “Chico Bento” são as revistas em quadrinhos mais vendidas do Brasil, colocando imediatamente a Panini no posto de maior editora do gênero no país. Além da “Turma da Mônica”, a editora italiana tem os direitos das publicações dos super-heróis da Marvel e DC Comics.

O principal motivo da mudança foi, segundo Mauricio de Sousa, criador dos personagens, a possibilidade de atingir mais facilmente o mercado estrangeiro. “A Panini está em todos os países importantes da Europa e alguns da Ásia também”, afirma.

O que deve mudar também será o lançamento de mais títulos como a revista da Tina, voltada para o público adolescente feminino, livros de fábulas e contos (“não necessariamente com a ‘Turma da Mônica’”) e “neo-mangás”, como definiu Mauricio, com a “Turma da Mônica” desenhada no estilo dos quadrinhos japoneses. “Vamos brincar um pouquinho com o estilo ‘semi-mangá’ ou ‘neo-mangá’, ainda este ano”, promete.

A revista da Tina e a criação de mangás tentam buscar o novo público da Mônica e companhia. “O público mudou, a criançada está virando adolescente com sete, oito anos. Então a gente tem que acompanhar esta evolução com histórias mais maduras. Nossas revistas também têm 50% de público adulto e 50% de crianças super-avançadas e antenadas”, diz Mauricio.

Sobre a mudança no teor das histórias ocorridas nos últimos anos, com temáticas politicamente corretas, de cunho social e ecológico, Mauricio afirma que “não são as histórias que mudaram, e sim o público.” Para o autor, “o leitor não levanta bandeiras, mas acompanha o que está acontecendo. E nós seguimos a realidade de hoje.”

Mesmo envolvido com novos projetos comerciais, Mauricio de Souza continua desenhando. “Lógico que sinto (saudade de desenhar) e desenho. O (gibi) do Ronaldinho Gaúcho sou eu que estou fazendo e as tiras de jornal. Outro dia estava fazendo sobre os aeroportos. E o Chico Bento, que faço de vez em quando para o pessoal seguir uma linha, já que eu sou o mais caipira daqui.”

Os primeiros títulos mensais lançados pela Panini ("Mônica", "Cebolinha", "Cascão", "Chico Bento", "Magali" e "Ronaldinho Gaúcho") começam novamente do número 1, a R$ 2,90 cada. As edições bimestrais (Almanaques da Mônica, Cebolinha e Cascão) vão custar R$ 3,90. Ainda há o "Almanaque temático", trimestral, a R$ 5,90, e o Grande Almanaque de Férias, semestral, R$ 7,90.


Há planos de relançar também os primeiros números da editora Globo, em um pacote único com todos os títulos nas bancas e para assinantes.


Jornal O Globo, blog Gibizada - 11 de janeiro de 2007
A turma da Mônica em nova casa
O número de páginas, 68, é o mesmo, e o preço, R$ 2,90, também, mas a Turma da Mônica está de casa nova. Depois de 20 anos na Editora Globo, os quadrinhos de Mauricio de Sousa agora são publicados pela Panini, segundo o autor uma casa multinacional que acena com novas tecnologias e novos territórios para suas revistas em quadrinhos: Cebolinha, Cascão, Magali, Chico Bento e os novos títulos Turma da Mônica (Uma aventura no Parque da Mônica) e Ronaldinho Gaúcho. Os gibis da Mônica e os almanaques do Cebolinha, Cascão e Mônica são maiores, têm 84 páginas e custam R$ 3,90. São, no total, dez títulos que agradarão aos leitores da turma da Mônica, personagem inspirada na filha do autor e criada em 1963. Por telefone ao Gibizada, Mauricio diz que ainda vem por aí uma revistinha da Tina, certamente voltada para as adolescentes, e uma série com a Turma da Mônica em estilo mangá, "já estamos fazendo uns testes e está ficando bem divertido", diz.  

- A cada ano a gente inventa, diz que vai se renovar, planeja resoluções e, às vezes, a realidade permite isso. Com o contrato feito com a Panini, poderei ter mais quadrinhos, filmes e livros paradidáticos com os personagens da Turma da Mônica ou não. E espero chegar, com os quadrinhos, a uma tiragem de 3 a 3,5 milhões de exemplares. Hoje estamos com 2 a 2,5 milhões - explica Mauricio de Sousa.

Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali, Chico Bento, Rosinha, Anjinho, Penadinho, Xaveco, Franjinha, Bidu, Floquinho, Penadinho, Horácio, Piteco, Tina, Rolo, Louco, Bugu, Jotalhão, Astronauta... tem espaço para todos nos gibis, até para personagens pouco conhecidos dos leitores mais velhos como Nimbus, Denise, Dorinha, Titi, Marina, Luca, o gato Mingau e o menininho de cabelos louros Dudu, presente em quatro histórias da primeira leva de revistas: "É, parece que o Dudu está em alta", ri Mauricio.

O autor diz que os três almanaques contém seleções das melhores HQs da Turma da Mônica, material publicado há pelo menos cinco anos atrás. "Não republicamos histórias em menos tempo do que isso", esclarece. E para os fãs das aventuras clássicas de seus personagens, Mauricio adianta que pretende lançar, somente para assinantes, pois tem medo de mandar para as bancas e canibalizar o produto, os primeiros números de todas as revistinhas que já lançou em outras editoras ao longo da carreira. Um verdadeiro presente para os velhos leitores de suas histórias.

Mauricio de Sousa não deixa de volta e meia escrever e desenhar quadrinhos com a Turma da Mônica, como há pouco, em que não resistiu à crise nos aeroportos e fez uma tirinha de jornal sobre o caso. Outro que tem tomado seu tempo é o novo personagem, Ronaldinho Gaúcho, cujas tirinhas estão sendo muito bem vendidas, principalmente para o mercado exterior, onde suas histórias já são lidas em 15 idiomas. Isto sem falar no Chico Bento, para onde o autor sempre corre quando quer soltar a veia criativa caipira. Porém o dinossaurinho Horácio continua sendo o seu xodó, pois ele ainda roteiriza todas as histórias do personagem. Perguntado se ainda lê gibis, Mauricio desdenha com bom humor:

- De vez em quando paro em uma banca e compro de 10 a 20 gibis e levo pra casa para ler. Apesar da grande variedade, você opta pelo seu nicho. Mas não tenho gostado destas histórias de super-heróis de hoje em dia não, o pessoal tá choroso, angustiado, antigamente o herói era bem resolvido - ri o pai da Turma da Mônica, que poderá ser vista em longa-metragem de animação a partir do dia 16 de fevereiro, data de estréia nos cinemas do filme "Turma da Mônica - Uma aventura no tempo".
__________________________________________________________________________

"O que deve mudar também será o lançamento de mais títulos como a revista da Tina, voltada para o público adolescente feminino, livros de fábulas e contos (“não necessariamente com a ‘Turma da Mônica’”) e “neo-mangás”, como definiu Mauricio, com a “Turma da Mônica” desenhada no estilo dos quadrinhos japoneses" 
"ainda vem por aí uma revistinha da Tina, certamente voltada para as adolescentes, e uma série com a Turma da Mônica em estilo mangá" 
- A revista da Tina foi lançada em 2009, e circulou até 2011, voltando, reformulada, em 2014. Mas essa revista está sendo regida por muitos atrasos, era pra ser mensal, mas está atrasada desde o ano passado. Já a revista em mangá, que acabou saindo como Turma da Monica Jovem (ou TMJ), foi lançada em agosto de 2008, e segue até hoje, chegando nas 80 edições.

"Há planos de relançar também os primeiros números da editora Globo, em um pacote único com todos os títulos nas bancas e para assinantes." 
"Mauricio adianta que pretende lançar, somente para assinantes, pois tem medo de mandar para as bancas e canibalizar o produto, os primeiros números de todas as revistinhas que já lançou em outras editoras ao longo da carreira"
- Os planos para a Coleção Histórica naquela época eram outros: as revistas iriam somente para os assinantes, e também seriam os primeiros números da Globo, e não da Abril, como (felizmente) aconteceu. O receio de Mauricio em mandar as primeiras revistas para as bancas era correto: a CHTM número 1, pela internet (nas bancas não se encontra mais), varia de R$150 a R$2000, sendo que nas bancas elas saíram por R$20, preço praticado até hoje.

Comentários

  1. Meu jornalista estimado. Quando puder, vá na segunda linha e veja onde escreveu "há oito anos atrás" e decida por "a oito anos atrás" ou "há oito anos". Do jeito que está, não é certo. Quando coloca-se "há" em referência a tempo, já quer dizer que seja passado. Então não precisa colocar o "atrás" na mesma frase, pois fica como falamos "subir pra cima" ou "descer lá embaixo". rsrsrs...

    Só estou te dando o toque porque você quer ser jornalista e, como o erro ficou bem no começo da matéria, foi impossível fazer vista grossa.

    ResponderExcluir
  2. Agora, sobre os planos, eu preferia que ficassem só quatro títulos mensais e quatro almanaques. Depois poderiam ter mais dois para republicações no estilo temático ou de personagens secundários. Não vejo necessidade de mais do que isso. O que vejo são títulos demais e uma demanda de HQs atuais que sabemos que pode melhorar.

    Quanto a TMJ, parece que ela veio mesmo para ficar. Mas essa onda de "mangalizar" personagens já foi. Foi bom no começo, mas ninguém segurou a onda. A única que ainda insiste na fórmula é a MSP. Tenho uma edição aqui, das antigas, na verdade é a primeira. Achei legal. Mas não sei ,hoje em dia, como ela está. A MSP precisa aceitar que algumas coisas são modismos e procurar concretizar suas obras em cima de coisas mais tradicionais e de característica da turma. Por exemplo, obras como as Graphic Novels são e serão muito bem vindas.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se deixassem só as 5 mensais, tirando Neymar, a do Parque e do Ronaldinho das bancas, já estava bom. Os 5 almanaques e o temático tbm são legais, e o da Tina, do Penadinho e do Bidu eram os mais legais.

      Já a TMJ realmente nn vai sair tao cedo das bancas.

      Abç.

      Excluir

Postar um comentário

O Quadrinhada não se responsabiliza pelos comentários aqui publicados. Qualquer informação expressa é de total responsabilidade do autor. Comentários com palavrões serão excluídos.

EM ALTA NA SEMANA

Gibiteca nº17: Cebolinha nº 79 é o Escolhido...

Olá pessoal. Neste domingo (28), continuaremos com a nossa caminhada através da nossa gibiteca, que nesta postagem falara sobre a Revista Cebolinha nº 79, que está atualmente nas bancas, custando R$ 3,50.


A revista é composta pelas seguintes aventuras:

O escolhido - onde o Cebolinha encontra um anel que tem como poder, um desejo muito estranho, o que deve ser?

Torcicolo - Titi fica com dor no pescoço depois de olhar rápido para uma, porém ele não vai ser o único a se machucar no final, quem será que vai se machucar também?

A porta - Cebolinha e sua imaginação novamente impedida pela Mônica e suas travessuras.

Mônica e o boi e seu vestido vermelho (história de uma página) - Gostei da cara do Boi nos três quadrinhos.

A pedra que não estava lá - onde Bidu e o Zé Esquecido tentam descobrir como a Dona Pedra sumiu da história.

Irmão - história muito boa, pois meu mostra a turma como irmãos e não apenas como amigos.

Perto da natureza - onde o Papa Capim mostra porque devemos cuidar da natureza.

O…

Gibiteca nº13: Turma da Mônica nº 78, e o Parque?

Olá pessoal. Neste domingo (14), daremos continuidade a nossa gibiteca, que nesta postagem falará sobre a revista: Turma da Mônica nº 78, antigo Parque da Mônica.



Porém antes resolvi falar um pouquinho sobre o antigo Parque da Mônica,que funcionou entre os anos de 1993 a 2010, que ficava localizado em São Paulo, no Shopping Eldorado:

"A atração que envolvia os personagens da Turma da Mônica fez tanto sucesso nos anos 90, que acabaram até lançando uma revista em quadrinhos chamada: Revista Parque da Mônica, no qual trazia sempre uma aventura envolvendo a turminha no parque, ou mostrando as novidades entre os brinquedos, peças teatrais, shows."

Em junho de 2013 chegava nas bancas de todo o país a revista Turma da Mônica nº 78, que trazia as seguintes histórias:

Mágicas Do Contra - no qual o personagem Do Contra resolve entrar no ramo da magica, envolvendo os personagens Mônica, Cebolinha e Cascão.

Não consigo dormir - nesta aventura o Anjinho faz de tudo pra conseguir um local p…

As 100 edições da Magali na Panini

Desde janeiro de 2007, os gibis da Turma vem sendo publicados pela editora italiana Panini. O contrato vai até 2020, por enquanto. É uma parceria boa, porque se olharmos em qualidade de impressão, a Panini é a melhor das editoras que já publicaram as revistas da TM.  Nesta série do Quadrinhada, abordaremos as 100 edições de cada um dos personagens.

MAGALI - A PRIMEIRA EDIÇÃO



Como foi a primeira edição: a revista da Magali de número 1 na Panini foi publicada em janeiro de 2007, com 68 páginas e por R$2,90. Todas as revistas de nº1 tinham o selo "Edição de lançamento", além de um frontispício sobre a mudança de editora. A capa tem Magali falando ao telefone e Mingau dormindo ouvindo música. A revista contém as seguintes histórias:


Toda prova de amor (11 páginas)O sinal (2 páginas)Tina (4 páginas)História de uma página da MagaliUm olhar diz tudo (4 páginas)Um jeitinho novo de pedir (5 páginas)Ajuda certa (2 páginas)O mistério dos irmãos gêmeos do Dudu (27 páginas)
Nesta revista, …